quinta-feira, 30 de março de 2017

Gal 1.10-24 O Impacto do Evangelho

Introdução

 No sermão anterior, vimos que a grande tentação da vida é a de substituir o Evangelho da graça, por alguma outra coisa que dependa de nós.

Nunca é demais nos lembrar o que disse Lutero: “Durante vinte anos eu tenho ensinado e acolhido a doutrina da suficiência de fé nos méritos de Cristo, pelos quais somos aceitos perante o tribunal de Deus: contudo, aquele velho e tenaz engano me assedia de tal forma que ainda descubro uma tendência de aproximar-me de Deus trazendo alguma coisa em minha mão, pela qual possa merecer a sua graça”.

Neste texto, Paulo falar de outra coisa, que está relacionado a nossa performance. Paulo estabelece alguns princípios muito interessantes sobre o Evangelho:

1.       Sua fonte é sobrenatural“recebi não de homens, mas de Jesus” (1.11-12) Esta é a grande diferença entre cristianismo e outras religiões. Toda religião é marcada pelo desejo do homem de alcançar a Deus, o Evangelho nos afirma que Deus vem ao encontro dos homens. Sua procedência é divina.

2.       O Evangelho baseia-se na graça de Deus, apenas, e não nas qualificações humanas – (1.15) Paulo reafirma isto ao escrever a Timóteo. (1 Tm 1.12-16) A expressão, “por esta razão” é extremamente significativa. Qual foi a razão? Paulo usa duas vezes a palavra misericórdia neste texto (vs.13,16). A única razão do amor de Deus é sua misericórdia.

3.       Seu conteúdo transformador – O Evangelho gera transformação. Normalmente pensamos que o que irá nos mudar são melhores atitudes, novas resoluções, novas intenções. O Evangelho é poder. Rm 1.16-17 sua mensagem operante atua de forma eficiente em nossa vida para nos transformar. Afeta nossa forma de avaliar e ver a vida. O Evangelho regenera, isto é, transforma nossa natureza intrínseca de dentro para fora. A lei não consegue fazer isto.

4.       Sua mensagem reeduca“Paulo, vá para o deserto...”  De 1 Tm 1.18 até 2.1, temos aqui uma síntese autobiográfica da trajetória de Paulo. Logo após sua conversão, ele sai de Damasco e vai para Jerusalém. Isto nos é relatado em At 9.26 e ao chegar ali, recebe um frio tratamento da Igreja, até que é assimilado pela comunidade pela ação pastoral de Barnabé, contudo, a impetuosidade daquele jovem pastor, tornou-se um problema para a Igreja de Jerusalém. O texto do vs. 31 afirma que, diante da sua impetuosidade, ele é tirado da Igreja, e assim, na verdade, a igreja tinha paz. (At 9.31), quando Paulo saiu da cidade, a igreja teve paz.

O texto de Atos deve ser associado ao de Gálatas 1.18-21. Se somarmos por baixo, os três anos de 1.18 com os 14 de 2.1, temos aí, por baixo, 17 anos. Deus manda Paulo para o deserto, para aprender um novo conceito: A vida crista não pode ser levada na base da força, nem do talento natural, mas da dependência de Deus.
Paulo toca aqui em dois assuntos extremamente caros para a igreja: zelo e tradição.

a.      Zelo não é suficiente“sendo extremamente zeloso”.

Uma das coisas que achamos extremamente importante na vida é o zelo. Em Rm 10.1-2 Paulo afirma que os judeus tinham zelo, porém, não com entendimento. Zelo deve ser uma virtude cristã, mas pode se tornar também uma armadilha, pois ela pode nos dar um falso senso de justiça própria, e retirar de nós a capacidade de vermos que tudo está baseado na graça. Como vimos no texto de Martinho Lutero descrito acima.

b.      Tradições são inoperantes – Era zeloso nas tradições de seus pais. As suas tradições não foram capazes de gerar vida.

Um jovem recém casada gostava de prepara pernil, mas todas as vezes que o fazia, era extremamente complicado para ela, porque tinha o penoso trabalho de assar apenas metade. Um dia seu marido lhe perguntou: -“Porque voce nao faz o pernil inteiro? Acho que daria menos trabalho”. E ela candidamente respondeu: -“Não sei!, mamãe sempre fez assim e eu sigo sua receita...” Quando a filha encontrou sua mae e lhe perguntou porque, ela disse que não sabia, e que apenas repetia a receita de sua mãe. Intrigadas foram perguntar à sua vó, que sorrindo lhes disse: -“Na verdade sempre fiz assim, porque não tinhamos uma panela grande para colocar todo o pernil...Podem fazê-lo inteiro que o resultado será o mesmo”.
Viram como a tradição pode nos engessar? Boa parte das atividades que temos na igreja, não fazem grande sentido, mas como sempre vimos as coisas desta forma, então as repetimos irrefletidamente.

Em contraste, Paulo mostra duas coisas que geram transformação:

1.1.    O eficiente chamado de Deus – “Quando, porém, ao que me separou antes de eu nascer e me chamou pela sua graça, aprouve revelar seu Filho em mim, para que eu pregasse aos gentios...(1.15,16). Os teólogos chamam isto de predestinacao, eleição e outros de vocação eficaz. É um chamado veemente de Deus, que nos atrai a ele. Deus nos separou antes do nascimento, e resolveu revelar em nós sua graça. Deus fez tudo, e assim pude receber sua graça em mim.

1.2.    O encontro revelador com o Filho de Deus – “...aprouve revelar seu Filho em mim... (Gl 1.16)  A revelação à qual Paulo se refere é a manifestação de Jesus na sua vida. Qual é a revelação que você tem desejado? O que vai transformar sua vida é a manifestação de Jesus em sua vida.

Conclusão:
1.       O Evangelho focaliza em agradar a Deus, não aos homens – O Evangelho retira de nós o desejo pela reputação humana. Nada temos a provar, já fomos aceitos incondicionalmente em Cristo (Gl 1.12,16)  Paulo deixa de ser um fariseu respeitado e afamado, para um cristão desconhecido.

2.       O Evangelho mostra que zelo é impotente sem discernimento – Existem muitas pessoas sinceras, mas erradas, fundamentando sua vida em mentiras, crendo ser elas verdades. Os judeus fizeram isto, e cnstruiram sua vida com “zelo, porém sem entedimento” (Rm 10.1,2).

3.       O Evangelho mostra que tradições são ineficazes para o conhecimento de Deus – João Batista bradava no deserto: “...e nao comeceis a dizer entre vós mesmos: Temos por pai a Abraão; porque eu vos afirmo que destas pedras Deus pode suscitar filhos a Abraão” (Mt 3.9). A falsa pressuposição de que, por serem judeus, descendentes de Abraão, possuíam um foro especial diante de Deus estava sendo desmascarada agora pela pregação de arrependimento.

Samuel Vieira
Anápolis, chácara do Billy.

18.01.03
refeito, Março 2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário