sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Ef 3.14-21 Fortalecendo o homem interior


Resultado de imagem para imagem homem interior

Introdução:

Esta é a segunda oração que o apóstolo faz neste livro (Ef 1.18 e 3:1,14). Paulo era um homem que orava. Nós, reclamamos muito e oramos pouco. Quantas vezes, ao invés de ir ao altar de Deus quando nos julgamos incompreendidos, preferimos reclamar, lamentar e lamuriar?
Oração tem características interessantes. Quem ora se compromete pelo que ora.
Outro aspecto curioso: Orações revelam o coração, e assim denunciam ansiedades e ambições. Basta que se analise o conteúdo e a intensidade das orações que fazemos para saber o que realmente ocupa nossa mente. Oração expressa desejo. Quais são os motivos e temas de suas orações?
Oração também é atitude de humildade. Quem se curva é porque reconhece a necessidade da ação de Deus em sua vida. Crê que há um Deus que vê, que pode intervir. Oração revela dependência e fé, a ausência da oração demonstra incredulidade e secularismo.

A expressão usada por Paulo, "por esta causa" (Ef 3.14), revela o foco da atenção de Paulo. Onde se encontra sua mente e desejos. Qual é a causa da sua oração?
As motivações de sua oração expressam o discernimento espiritual do apóstolo. Orações sempre brotam do conhecimento que temos do Senhor. Paulo ora fundamentado em duas realidades:
a.     A obra reconciliadora de Cristo;
b.     O propósito revelado de Deus.

Estudar as orações de Paulo em Efésios é sempre um grande projeto. Suas orações tem algumas características:

1.     Não ora para que os problemas desapareçam, ou para que sejam mudadas as circunstâncias ou situações, pessoais ou de outros. Sem dúvida orou por isto em outros momentos, mas nesta carta, este não é o tema central. Nós sempre oramos por bençãos, graça, favores, recursos materiais, livramentos, etc. Transformamos Deus em um agente de solução de problemas. Paulo ora mais pelo coração das pessoas e as respostas que deveriam dar face às grandes pressões e tribulações que poderiam enfrentar, como ele mesmo estava vivendo ao escrever esta carta da prisão.

2.     Sua oração é puramente espiritual, não tem conteúdo material. Muitas vezes repetimos a afirmação de Jesus: "Buscai o reino de Deus e a sua justiça, e todas a demais coisas vos serão acrescentadas" (Mt 6.33), lamentavelmente, porém, estamos buscando outras coisas esperando que o Reino seja acrescentado (se der tempo...) . Normalmente buscamos: segurança, conforto, bens materiais, saúde. O reino de Deus não ocupa o centro de nossos desejos e aspirações.

3.     Sua oração é específica - Não é cheia de generalizações. Ora por certos aspectos particulares, foca nestes temas e aspira que os mesmos se manifestem no rebanho de Cristo. Um dos graves problemas das orações é que elas são vagas e genéricas demais. “Perdoa minha multidão de pecados”. Certamente será bem mais complexo e dolorido se conseguirmos ser objetivos no pedido de perdão, mas isto nos ajudará a entrar em contato com o nosso mal e realmente nos arrependermos para sermos curados.

John Stott sugere uma escada pela qual suas orações sobem, degrau por degrau, na sua intercessão pela igreja. Paulo intercede por cinco áreas:
           
  1. Força Interior - vs. 16
  2. Habitação de Cristo - vs. 16
  3. Amor - vs. 16
  4. Compreensão - vs.17
  5. Plenitude de Cristo - vs. 19

Vamos começar pelo significado do “fortalecimento do homem interior”. Este é o primeiro degrau. Paulo ora para que este poder espiritual permeia a vida do povo de Deus.

O que é Poder ?
Originalmente a palavra poder vem do grego "dinamis", e a palavra em português que deriva etmologicamente do grego é "dinamite", ou "dínamo"(energia). O que isto nos leva a pensar?

Primeiro, Deus sabe que sua obra só prossegue eficientemente, se a igreja estiver revestida desta capacitação espiritual, por isto, em Lc 24.49 Jesus foi enfático: "Ficai em Jerusalém, até que do alto sejais revestidos de poder". Por que não sair antes?  Porque sem capacitação, o ministério será fracassado. Vemos isto em Mc 9 quando os discípulos não conseguem expelir o demônio do jovem que é trazido pelo seu pai. “Roguei aos seus discípulos que o expelissem, mas eles não puderam” Esta incapacidade espiritual é um duro diagnóstico contra a igreja de Cristo. Neste episódio de Marcos Jesus afirma que a falta de poder estava intimamente associada à incredulidade. É impossível realizar a obra de Cristo sem seu poder capacitador.

Segundo, a experiência do perdão e da salvação é apenas o início da vida cristã, apenas o primeiro passo indicando a estrada no Reino de Deus. Infelizmente muitos param nesta primeira fase da vida cristã. Não crescem espiritualmente e tornam-se raquíticos e anêmicos. Charles Hodge comentando este texto afirma: "A habitação de Cristo na pessoa é uma questão de intensidade. Todos tem o Espírito, mas nem todos experimentam sua força e seu poder".

Terceiro, o fortalecimento bíblico encontra-se no passivo. Para que sejais fortalecidos com poder, mediante o Espirito no homem interior”. Temos que ser fortalecidos, mas a fonte de energia é de fora, vem do Senhor. Esta é a diferença básica entre a análise transacional, o zen budismo e muitas outras correntes religiosas modernas e o cristianismo. Naqueles, a força vem do homem, na sua capacidade intrínseca; entretanto, na fé cristã, a força vem de Deus. O verbo usado aqui no grego é "krataiothenai",  e tem o sentido de fortalecimento ou capacitação.

Quarto, a fonte deste poder é o Espírito. "Mediante o seu Espírito".   O Espírito é que faz. Quando nos convertemos a Cristo, recebemos o Espírito Santo. Ele nos capacita com seus dons, e nos impulsiona ao testemunho. O mesmo Espírito que nos convence de pecado, do juízo e da justiça, dá-nos graça para o exercício do ministério. O poder da igreja não é uma força ou energia impessoal, mas a pessoa do Espírito Santo de Deus. Por isto Jesus afirmou: “Mas recebereis o poder ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas” (At 1.8). A capacitação do povo de Deus vem do Espírito.

Onde este fortalecimento vai ocorrer?
A Bíblia nos ensina que seremos fortalecidos no “homem interior”. O que significa isto?
Paulo certamente estava se referindo às emoções e pensamentos.  A linguagem do Antigo Testamento é mais visceral e fala do coração. É a forma como a antropologia judaica se comunica. Por isto, o livro Provérbios afirma: “sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração porque dele procedem todas as fontes da vida” (Pv 4.23).
No Novo Testamento, o conceito deste “homem interior”, aparece em vários textos bíblicos. Paulo afirma: “Por isso, não desanimamos, pelo contrário, mesmo que o nosso homem exterior se corrompa, o nosso homem interior se renova dia em dia” (2 Co 4.16).
Paulo ora para que as emoções e a mente do povo de Deus se fortaleçam em Cristo.
Precisamos nos fortalecer interiormente.
Quando o coração está frágil, torna-se susceptível de todas as mazelas. Qualquer vírus oportunista será capaz de desencadear mecanismos de auto-destruição.

Mente e emoções (ou coração), deve ser o foco de nossa atenção. Deus precisa nos fortalecer interiormente.

  1. Por causa das setas das dúvidas - Quantas questões são levantadas dentro de nós? Dúvidas intelectuals e emocionais sobre a existência de Deus, o amor de Cristo, seu perdão, sua pessoa e obra, sua Palavra. Muitas vezes nos perguntamos. Será que minha fé é realmente válida ou trata-se de uma ilusão? Dúvidas intelectuais sobre Deus são perigosíssimas e eficazes, por isto Paulo nos exorta a embraçar sempre o escudo da fé, com o qual podemos apagar os dardos inflamados do maligno (Ef 6.16). Uma dúvida, na hora certa, no ponto certo, pode ser fatal para a fé.

  1. A tendência ao desânimo – Já percebeu que sua mente que funcionava "perfeitamente" e segura ontem, parece ter amanhecido com os fusíveis trocados e as pilhas fracas e não funcionam tão bem hoje? É a tendência à depressão, que atinge milhares de cristãos, as frustrações e ansiedades que nos assediam com tanto vigor. Quantas pessoas que amam ao Senhor enveredam por um caminho de tristeza e são consumidas por acusações, mentiras, peso emocional.

  1. Maus pensamentos – Pense na figura dos "dardos inflamados do maligno".  Dardos são flechas que vem de longe. Há dois detalhes que são essenciais: (i). São dardos inflamados. Eles estão pegando fogo, um poder muito grande de incendiar; (ii) procedem do maligno. Satanás é estrategista. Joga a seta na hora certa, com eficácia. Já considerou o fato de que você não tem dificuldades de ler o jornal, mas sempre tem sonolência quando se trata da oração e da Bíblia? Quantos pensamentos podem ocorrer e nos levar a pensar que sequer somos crentes?


E as dúvidas filosóficas? Se você acha que o cristianismo não possui pressupostos lógicos e coerentes, seja do ponto de vista mental ou existencial, você certramente não será um cristão sólido, se você crê que sua fé é poética, não real; simbólica, mas não histórica, se arrastará espiritualmente por anos, “coxeando entre dois pensamentos”.
.

Conclusão:
  1. Paulo não ora para que os cristãos sejam imunes ao sofrimento. Não existe ideia no NT de que uma boa uma dose de cristianismo solucionará todos os problemas. O cristianismo é realista. O que precisamos não é de ausência de conflitos, mas de poder para lidar com eles e nos mantermos em pé. O problema não é a seta, mas o coração receptivo que a recebe;
  2. Não existe um círculo mágico no qual você estará isento de provações. Homens de Deus passam por grandes tribulações e perdas. A diferença está no coração, como lidam com tais situações.
  3. Não existe otimismo ingênuo na Bíblia para dizer: "Tudo vai dar certo!",  ou do tipo defendido pela análise transacional "eu estou OK, você está OK", ou da confissão positiva que nega pecado e dor e declara, “tome posse pela fé. Declare e tudo se resolverá!”. A fé é capaz de grandes coisas, mas Jesus fala de provações e tribulações ao seu rebanho. “No mundo passais por aflições, mas tendo bom ânimo, eu venci o mundo” (Jo 16.33). Nada no NT nos leva a pensar que os problemas serão removidos porque cremos em Cristo. Vivendo num mundo caído e caótico, seremos atingido pelos reveses da história, e angustiados muitas vezes; os corpos enfrentarão enfermidades e dores, seremos acusados, nos sentiremos desanimados; embora, jamais abatidos. Pois, "Nem morte, nem presente, nem porvir, poderá separar-nos do amor de Deus que está em Jesus Cristo".

Conclusão:
Então, qual é o método de Deus para superar as lutas?

O homem interior precisa ser fortalecido. Precisa criar anticorpos, para combater os elementos externos. Só um corpo forte será capaz de enfrentar vírus, bactérias e parasitas que andam ao redor.

A proposta de Deus não é fazer desaparecer todos os problemas, já que parte deles são inevitáveis, frutos da nossa humanidade e contigências temporais, mas ao fortalecimento interior.
Precisamos aprender com a natureza. Germes, micróbios e vírus são capazes de destruir uma vida. Como o corpo reage? A resposta é direta: criando um sistema imunológico, para combater a ameaça. O que é uma vacina? São anticorpos gerados em laboratório com o poder de ajudar o organismo a lutar contra as bactérias que podem destruí-lo. Um homem forte e com o sistema imunológico em bom funcionamento, conseguirá reagir e obter vitória sobre um determinado vírus, enquanto o outro, exposto à mesma bactéria, vai sucumbir. A diferença não está na bactéria, mas no organismo que o abriga. Todo problema requer resistência específica.
É isto que Deus precisa fazer em nós: nos fortalecer.

Por esta razão, Paulo ora para o Senhor fortaleça o homem interior: mente e emoções, para lidar com as intempéries da vida com saúde espiritual. “Guarda o teu coração porque dele procedem todas a sfontes da vida" Coração é o "centro da personalidade". Coloque sua mente em Deus, nunca nas cirscunstâncias. Quando Pedro reparou a força do vento, ele desanimou e gritou: "salva-me Senhor, estou perecendo", mas quando colocou seus olhos em Cristo, ignorou a tempestade e andou sobre as águas.

Samuel Vieira
Igreja Presbiteriana da Gávea
Agosto-90.
Refeito, Agosto 2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário